História de Cristais

O município foi emancipado em 27 de Dezembro de 1948, de acordo com LEI 336 e desmembrado do município de Campo Belo. Mas, oficialmente comemora-se a data cívica em 04 de Junho. A mudança para o meio do ano é devido ao fato de não ser chuvoso e as escolas municipais e estaduais estarem em pleno semestre letivo para participar das festividades




.


http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image001.jpg
Fonte: PMC, 1999.





Fonte: PMC, 1999.
Antecedentes Históricos:
 A capela
A autorização episcopal para edificação da primeira capela ocorre no fim do século XVIII e Segundo um documento firmado pelo capitão Antonino da Silveira Fernandes, comandante da Companhia de Ordenanças de Cristais em 1819, a construção da capela teve a iniciativa do seu cunhado, o Pé. Antonino Ferreira de Miranda, capelão de Candeias e Cura de ambas as Aplicações.

A padroeira: Na. Sa. D’Ajuda

“Na Aplicação de Nossa Senhora das Candeias, freguesia de São Bento do Tamanduá, a 1° de agosto de 1791, os moradores do povoado do "Rio Grande" obtém provisão de uso de sua ermida, por eles edificada sob a invocação de Nossa Senhora D'Ajuda, assinada por D. Frei Domingos da Encarnação Pontével, bispo de Mariana.”


http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image005.jpg
Fonte: PMC, 1999.
A criação do distrito e a emancipação política-administrativa

O distrito de Nossa Senhora da Ajuda dos Cristais foi criado em 1864, pertencendo à Itapecerica. No ano seguinte, passou a pertencer ao município de Campo Belo. Em 1948, emancipou-se, passando a denominação de Cristais.    A foto ao lado refere-se ao Garimpo de cristal de rocha que teve seu auge na década de 40 do século XX. A rocha era exportada para alimentar a indústria bélica durante a II Guerra mundial. Haja vista que durante este período atraiu muitos forasteiros, o que veio contribuir para a formação da cidade. O arraialemancipa e torna-se cidade tendo como seu primeiro prefeito municipal o senhor Francisco de Assis Carvalho, cuja gestão foi de 1949 a 1953.





http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image008.jpg
 Fonte: Frascoli, 1995




http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/image010.jpg
Fonte: Calendário da Gestão 1988
Prefeito Rodolfo Luiz Pinheiro.
Imagens da
Versões sobre a origem do município...

Segundo conta a tradição, existem duas versões (Duas ? “Grifo nosso”) sobre a história do atual município, iniciada entre 1780 e 1800. A primeira relata que o desbravador Lourenço Castanho e seus homens chegaram à região perseguidos pelos índios cataguases, habitantes da área, e ali se instalaram. A segundaversão aponta Romão Fagundes, como tendo sido o primeiro morador do local. Há uma terceira versão que aponta fatos inéditos. Antes da chegada do homem branco, o território do município foi habitado pelos negros. Segundo Martins (1995), em seu livro intitulado “Quilombo do Campo Grande: A História de Minas Roubada do Povo”, afirma que Cristais foi o primeiro núcleo da confederação quilombola do Rei Ambrósio. O pesquisador trabalha o tema há mais de vinte anos e suas conclusões não deixam margem a dúvidas. As toponímias do município realmente atestam os fatos Históricos. Entre os Rosas e a meia laranja localiza-se o morro do quilombo e o morro redondo que são os divisores das águas do córrego do quilombo. Onde tudo indica, palco da primeira guerra. E no Souza há o morro da vigia, a denominação dessa toponímia leva a crer que o local era de onde os quilombolas vigiavam os transeuntes. O extermínio dos negros ocorreu na guerra de 1746. E os que escaparam do ataque dos “homens bons” fugiram, transpondo a Serra da Canastra, chegaram a Ibiá onde formou o segundo núcleo quilombola.  E um segundo ataque aos quilombolas ocorre em 1759, este sim, no município de ibiá no Alto Paraíba.  Veja as conclusões do trabalho de Martins (1995): “Descobri, entre muitos outros fatos inéditos, que o Quilombo do Ambrósio, na verdade, esteve localizado em dois locais distintos, a saber”:
a)      Até 1746, sob o nome de - Primeira Povoação do Ambrósio -, localizava-se em território hoje compreendido no município de Cristais - MG, onde foi atacado pela bandeira do capitão-governador Antônio João de Oliveira;
b)       Somente depois de 1746 é que teria se mudado para o território do município de Ibiá, onde foi atacado e destruído no ano de 1759 pela expedição do governador-comandante, capitão Bartolomeu Bueno do Prado”.        
Referê


Linha Campo Belo - Cristais

CRISTAIS A CAMPO BELO

Segunda a Sexta
06:45 - 08:00 - 11:45 - 16:40
Sábado
08:00 - 11:45 - 16:40
Domingo
08:00 - 11:45 - 16:40 - 21:00

CAMPO BELO A CRISTAIS
Segunda a Sábado
06:45 - 10:30 - 15:30 - 18:00
Domingo
06:45 - 10:30 - 15:30 - 19:30

Obrigado Pela Sua Visita

História de Cristais

O município foi emancipado em 27 de Dezembro de 1948, de acordo com LEI 336 e desmembrado do município de Campo Belo. Mas, oficialmente comemora-se a data cívica em 04 de Junho. A mudança para o meio do ano é devido ao fato de não ser chuvoso e as escolas municipais e estaduais estarem em pleno semestre letivo para participar das festividades




.


http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image001.jpg
Fonte: PMC, 1999.





Fonte: PMC, 1999.
Antecedentes Históricos:
 A capela
A autorização episcopal para edificação da primeira capela ocorre no fim do século XVIII e Segundo um documento firmado pelo capitão Antonino da Silveira Fernandes, comandante da Companhia de Ordenanças de Cristais em 1819, a construção da capela teve a iniciativa do seu cunhado, o Pé. Antonino Ferreira de Miranda, capelão de Candeias e Cura de ambas as Aplicações.

A padroeira: Na. Sa. D’Ajuda

“Na Aplicação de Nossa Senhora das Candeias, freguesia de São Bento do Tamanduá, a 1° de agosto de 1791, os moradores do povoado do "Rio Grande" obtém provisão de uso de sua ermida, por eles edificada sob a invocação de Nossa Senhora D'Ajuda, assinada por D. Frei Domingos da Encarnação Pontével, bispo de Mariana.”


http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image005.jpg
Fonte: PMC, 1999.
A criação do distrito e a emancipação política-administrativa

O distrito de Nossa Senhora da Ajuda dos Cristais foi criado em 1864, pertencendo à Itapecerica. No ano seguinte, passou a pertencer ao município de Campo Belo. Em 1948, emancipou-se, passando a denominação de Cristais.    A foto ao lado refere-se ao Garimpo de cristal de rocha que teve seu auge na década de 40 do século XX. A rocha era exportada para alimentar a indústria bélica durante a II Guerra mundial. Haja vista que durante este período atraiu muitos forasteiros, o que veio contribuir para a formação da cidade. O arraialemancipa e torna-se cidade tendo como seu primeiro prefeito municipal o senhor Francisco de Assis Carvalho, cuja gestão foi de 1949 a 1953.





http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/sm_image008.jpg
 Fonte: Frascoli, 1995




http://www.mgquilombo.com.br/turismo/cristais/index_arquivos/image010.jpg
Fonte: Calendário da Gestão 1988
Prefeito Rodolfo Luiz Pinheiro.
Imagens da
Versões sobre a origem do município...

Segundo conta a tradição, existem duas versões (Duas ? “Grifo nosso”) sobre a história do atual município, iniciada entre 1780 e 1800. A primeira relata que o desbravador Lourenço Castanho e seus homens chegaram à região perseguidos pelos índios cataguases, habitantes da área, e ali se instalaram. A segundaversão aponta Romão Fagundes, como tendo sido o primeiro morador do local. Há uma terceira versão que aponta fatos inéditos. Antes da chegada do homem branco, o território do município foi habitado pelos negros. Segundo Martins (1995), em seu livro intitulado “Quilombo do Campo Grande: A História de Minas Roubada do Povo”, afirma que Cristais foi o primeiro núcleo da confederação quilombola do Rei Ambrósio. O pesquisador trabalha o tema há mais de vinte anos e suas conclusões não deixam margem a dúvidas. As toponímias do município realmente atestam os fatos Históricos. Entre os Rosas e a meia laranja localiza-se o morro do quilombo e o morro redondo que são os divisores das águas do córrego do quilombo. Onde tudo indica, palco da primeira guerra. E no Souza há o morro da vigia, a denominação dessa toponímia leva a crer que o local era de onde os quilombolas vigiavam os transeuntes. O extermínio dos negros ocorreu na guerra de 1746. E os que escaparam do ataque dos “homens bons” fugiram, transpondo a Serra da Canastra, chegaram a Ibiá onde formou o segundo núcleo quilombola.  E um segundo ataque aos quilombolas ocorre em 1759, este sim, no município de ibiá no Alto Paraíba.  Veja as conclusões do trabalho de Martins (1995): “Descobri, entre muitos outros fatos inéditos, que o Quilombo do Ambrósio, na verdade, esteve localizado em dois locais distintos, a saber”:
a)      Até 1746, sob o nome de - Primeira Povoação do Ambrósio -, localizava-se em território hoje compreendido no município de Cristais - MG, onde foi atacado pela bandeira do capitão-governador Antônio João de Oliveira;
b)       Somente depois de 1746 é que teria se mudado para o território do município de Ibiá, onde foi atacado e destruído no ano de 1759 pela expedição do governador-comandante, capitão Bartolomeu Bueno do Prado”.        
Referê


Linha Campo Belo - Cristais

CRISTAIS A CAMPO BELO

Segunda a Sexta
06:45 - 08:00 - 11:45 - 16:40
Sábado
08:00 - 11:45 - 16:40
Domingo
08:00 - 11:45 - 16:40 - 21:00

CAMPO BELO A CRISTAIS
Segunda a Sábado
06:45 - 10:30 - 15:30 - 18:00
Domingo
06:45 - 10:30 - 15:30 - 19:30